Corporativo

9 Abril 2018

Moppy: como a evolução da limpeza começou

Moppy: como a evolução da limpeza começou

Como surgiu a idéia de Moppy e que desafios se enfrentaram?

Entrevista a FRANCESCA POLTI, Directora Geral de  Polti SpA y STEFANO CAPPI Director de Design e Engenharia de Desenvolvimento que descreve o projeto Moppy

Comecemos a #moppyevolution:

 

1. Como nasce a idea de Moppy?

SC: A ideia da Moppy surge da necessidade do mercado e de uma necessidade comercial de ter um produto fácil de usar, sem cabo, semelhante às escova para limpar os soalhos.

A partir da ideia inicial, uma série de etapas e evoluções foram seguidas para alcançar a definição do produto.

FP:O Moppy foi solicitado pelo mercado, pelo consumidor. Como resultado de pesquisas anteriores, a partir de 2012, e depois até às últimas investigações, a necessidade expressa era constante: ter disponível um produto eficaz, que higienizara, mas que fosse rápido e prático de usar todos os dias. Os elementos mais incomodativos eram sempre os mesmos: o cabo e o peso.

Moppy tornou-se um projeto ambicioso, as primeiras tentativas foram realizadas em 2014 com algumas amostras de laboratório.

 

2. Que te convenceu na hora de escolher o nome?

FP: A escolha foi feita após uma consulta com 3 agências. O nome apareceu quando o produto estava terminado, pelo que os testes conceituais e testes de usuário em 2 níveis já haviam sido realizados (protótipo e progresso do projeto). O briefing compartilhado foi, portanto, para estimular / valorizar as vantagens do Moppy: fácil de usar, rápido, agradável, inteligente e fácil. Muitas propostas foram feitas, mas imediatamente o nome Moppy nos impressionou pelo seu imediatismo (há uma associação imediata com a limpeza de pavimentos), é reconhecido imediatamente, é facilmente lembrado, é agradável. Além disso, o nome foi associado a um logotipo muito amigável, o sorriso e versátil para o uso na comunicação.

 

3. Qual foi o ponto crítico que enfresntaste no desenvolvimento do mproduto?

SC: O problema mais crítico apresentado no conceito do produto desde o início foi a gestão da energia. O input inicial dada pela empresa, mas também pelo mercado, era obter um limpador a vapor sem cabo. O uso de baterias, obviamente, foi a primeira solução técnica hipotética. Nos últimos anos, as baterias eram mais compactas e econômicas, no entanto, com o vapor, essa escolha teria feito o produto ter sido pesado, caro e com uma série de desvantagens (gestão de energia, eliminação, falta de autonomia).

Como resultado, a gestão de energia continuou sendo o principal problema: como transferir a energia gerada pela eletricidade na forma de vapor para limpar os pavimentos e transformá-los em produtos leves e práticos? Portanto, levantaram-se hipóteses com diferentes soluções e protótipos, focalizando parcialmente o objetivo, mas penalizando a praticidade e a leveza. Os protótipos do produto eram muito grandes e incomodos devido a soluções técnicas inadequadas.

O ponto de viragem veio da intuição de simplificar o uso do vapor, dispensando-o de uma base de acoplamento a um pano de microfibra. Esse pano carregado de vapor eliminaria a sujidade e as bactérias. Os resultados obtidos foram apreciáveis devido à facilidade de uso e eficácia do primeiro protótipo e também por laboratórios externos validados.

Durante o desenvolvimento, outro aspecto crítico foi criar um produto que fosse durável ao longo do tempo e que evitasse a formação de calcário devido ao uso prolongado do produto. Por isso, criamos modelos experimentais de aquecimento, buscando um sistema adequado que não permitisse o acumular de calcário para a utilização da água da torneira, que é econômica e de fácil acesso. Além disso, o Moppy consome alguns gramas de água contra a grande quantidade requerida pelos sistemas tradicionais de limpeza.

FP: Participei e apoiei todas as frases críticas e, embora fazer uma escolha em vez de outra tenha implicado uma dilatação do tempo, o resultado nos convenceu e satisfez. Abordar esses problemas críticos nos levou às soluções que finalmente foram adotadas. Com certeza, a escolha mais desafiadora que tive de enfrentar foi decidir onde produzir o Moppy: em Itália ou com um parceiro asiático. Fico feliz que seja feito aqui, em Itália, na nossa fábrica, com pessoas que acreditam neste produto tanto quanto eu. As soluções encontradas permitem-nos posicionar no mercado com um preço adequado para a inovação, e não acreditamos que a vantagem econômica de uma produção não italiana tenha sido relevante para o consumidor.

Pelo contrário, as vantagens de uma produção italiana são visíveis: flexibilidade na produção e uma vantagem social e ambiental.

 

4. Que esperas deste produto?

FP: Isso se torne sinônimo da categoria de produtos básicos, como Vaporella e Vaporetto. Eu gostaria de um dia, em alguns anos, dizer "traz-me o Moppy", mesmo que seja de outra marca. Moppy é um produto que não existia. Não é uma mopa, não é um esfregão. É o "Moppy". Eu considero isso um produto muito próximo da nossa visão. Pouco tempo atrás, uma área de Como permaneceu sem água. Eu li alguns comentários em redes sociais que os litros de água alocados para as pessoas eram poucos para realizar todas as atividades (lavar, cozinhar) e essa quantidade não era suficiente para tudo. Para limpar o chão, com um balde e um esfregão, por exemplo, são necessários mais de 5 litros. A reflexão que me veio à mente é quanta água se usa para limpar os pavimentos; talvez seja um uso inútil de um recurso tão importante e cada vez mais escasso. O Moppy consome muito pouca energia, comparado ao consumo de água necessário. Responde a uma necessidade profundamente consciente de poupança e proteção.

 

SC: Quando há um desenvolvimento técnico, há dois riscos: que um projeto / produto seja agradável do ponto de vista técnico, mas não muito eficaz ou que esteja vinculado apenas à moda atual. O objetivo da empresa sempre foi criar produtos que são utilizados, que o consumidor / utilizador possa dizer "este é o produto para mim, eu precisava, é útil!".

A expectativa que tenho em Moppy é a seguinte: que as pessoas comprem e usem. Em geral, isso pode trazer melhorias (hábitos, limpeza) para o utilizador, mas também para o ambiente.

 

5. Moppy em mãos de... Quem gostarias que o utilizasse (celebridade, influencer, família) e porquê?

FP: Chiara Ferragni y Fedez porque, como uma bolsa, pode ser considerado um objeto da moda. Além disso, eles recentemente tiveram um bebê, certo? Eles realmente precisam disso! O outro casal é Barack e Michelle Obama, porque eu adoraria conhecê-los e por seu compromisso e atenção às questões que estão perto de nós (por exemplo, o meio ambiente).

SC: Para minha mãe, para todos. Eu gosto especialmente de ver os jovens que usam o Moppy e como eles gostam de usar o produto

FP: Moppy é um produto democrático, todos podem usá-lo, ninguém se ofende!

Lê mais  sobre Moppy e la nova experiência da limpeza.

Os primeiros prototipos de Moppy
 

Serviços Polti